Nova Vida, Nova Esperança

Rádio Online

“ O impossível  está a um passo da nossa superação

a  partir do momento em que nos superamos, algo

de impossível se realiza.”


Você está Aqui:Início seta Notícias seta Internacional seta NANOTECNOLOGIA 2ª parte
  •  
  •  
  •  
  •  
  • default color
  • green color
  • blue color
NANOTECNOLOGIA 2ª parte PDF Imprimir e-mail
Escrito por Gonçalo Câmara   
25-Ago-2010
ReadSpeaker webReader

Espinha dorsal pode ser restaurada com nano esferas

Estudo publicado na Nature Nanotechnology

Investigadores na Universidade de Purdue, no Indiana (EUA), descobriram uma nova abordagem para reparar fibras nervosas danificadas na espinal-medula usando nano esferas que podem ser injectadas directamente no sangue, logo após um acidente.

As ‘copolymer micelles’ sintéticas são constituídas por 60 nanómetros de diâmetro e são cem vezes mais pequenas do que um glóbulo vermelho. A investigação liderada por Ji-Xin Cheng, professor associado do departamento de Química da Weldon School of Biomedical Engineering, da Universidade de Purdue, foi publicada ontem, no «Nature Nanotechnology».

As ‘micells’ podem ter outras aplicações, como tratamento de cancro, por exemplo. As esferas já são usadas há mais de 30 anos como veículo de transporte de medicamentos, mas nunca tinham sido utilizadas directamente como medicina para um tecido danificado.

Um grave ferimento na espinha dorsal resulta numa ruptura da membrana neuronal, seguindo-se processos neuro-degenerativos secundários extensos, mas a reparação terá mais probabilidades de sucesso se for imediata.

As esferas podem combinar dois tipos de polímeros, um hidrofóbico e outro hidrófilo, ou seja, um que pode ser misturado com água e o outro não, mas este tem a possibilidade de ser carregado com fármacos para tratar doenças.

Um dos agentes mais usados é o ‘polyethylene glycol’ (PEG) e, segundo estudos levados a cabo na Universidade de Purdue, o PEG têm trazido grandes avanços no tratamento de danos na espinha de animais, já que “ataca” especificamente as células danificadas e sela a área ferida, reduzindo a possibilidade de futuros problemas. O 'polyethylene glycol’ tem ainda uma função importante na restauração de células.

O estudo foi feito em ratos com a espinha dorsal danificada, para a tese de doutoramento de Yunzhou Shi, orientada por Cheng e ficou provado que reduz eficazmente a inflamação da lesão e que os animais podem mesmo recuperar a capacidade de locomoção.




Partilhe este artigo:
Digg!Del.icio.us!Google!Live!Facebook!Technorati!StumbleUpon!Yahoo!Squidoo!
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >

Sobre o NovaVidaNova.com

Neste site pretendo que você venha a encontrar uma voz amiga. Onde possa ganhar força e esperança nas suas lutas do dia-a-dia.

Sempre que precisar pode-me contactar, estarei ao seus dispor.

Pastor Gonçalo.